Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL EPIDEMIOLOGICO DE PACIENTES COM DIAGNOSTICO DE CANCER DE PENIS ATENDIDOS NO HOSPITAL OPHIR LOYOLA, 2015-2018

Introdução, Material, Método, Resultados, Discussão e Conclusões

As neoplasias penianas são raras dentro do espectro de neoplasias urológicas, porém apresentam incidência considerável em países em desenvolvimento chegando a 5,7 casos por 100.000 habitantes no Brasil. Atinge homens principalmente a partir da sexta década de vida, mas não é incomum ocorrer antes dos 50 anos. Os principais fatores de risco incluem baixa condições sócio-econômicas, má higiene, tabagismo e infecção pelo HPV. Possui altas chances de cura quando o tratamento é instituído precocemente, porém por questões diversas que incluem aspectos psicológicos do próprio paciente, estes se apresentam tardiamente ao serviço médico com lesões avançadas levando a um pior resultado terapêutico. Este estudo objetivou conhecer o perfil epidemiológico de pacientes diagnosticados com câncer de pênis tratados no Hospital Ophir Loyola, no período de janeiro de 2015 a dezembro de 2018. Resultados: o universo amostral deste estudo foi de 87 pacientes. A idade mais acometida foi entre 50-69 anos, a maioria dos pacientes originaram-se da própria capital Belém. Os pacientes quando possuíam comorbidades, eram hipertensos em sua maioria. Apresentavam-se tardiamente ao serviço médico, com espera em torno de 6 meses. O tipo celular mais encontrado foi o carcinoma de células escamosas moderadamente diferenciado com lesões acometendo principalmente a haste peniana distal. Metade dos pacientes se apresentam com metástases linfonodais no momento do diagnóstico. Poucos pacientes evoluíram com metástases após o tratamento, porém 28% evoluíram para cuidados paliativos. Nossa amostra constou em sua maioria de lesões com estadiamento T1a, e estadiamento linfonodal N2. O tratamento mais realizado foi a Penectomia Parcial associado a linfadenectomia inguinal bilateral e 18,4% dos pacientes evoluíram para óbito durante o seguimento. Conclusão: são necessárias novas estratégias de prevenção e diagnóstico precoce para que possamos diminuir a incidência dessas neoplasias e melhorar a sobrevida após o tratamento do câncer de pênis.

Palavras Chave

Câncer de pênis. Carcinoma Escamoso. Epidemiologia.

Área

Tumores Raros

Instituições

Universidade Estadual do Pará - Para - Brasil

Autores

Mateus Araújo Valente, Tiago Bezerra Machado, Aluizio Gonçalves da Fonseca, Luis Otavio Amaral Duarte Pinto, João Frederico Alves Andrade Filho, José Ricardo Tuma da Ponte, Jones Barros de Oliveira, Renan Domingues Gavião de Carvalho, Alex Moraes de Oliveira