Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CARACTERISTICAS EPIDEMIOLOGICAS DOS OBITOS POR CANCER DE BEXIGA NAS REGIOES DO BRASIL ENTRE 2007 E 2017.

Introdução, Material, Método, Resultados, Discussão e Conclusões

INTRODUÇÃO: A neoplasia maligna de bexiga é o 9º tipo de câncer mais comum do mundo. Além disso, foram observados o surgimento de aproximadamente 430.000 novos casos e 165.000 mortes decorrentes da doença. Ademais, este câncer predomina em homens, sendo estes 75% do total de doentes. A maioria das mortes envolvendo neoplasia de bexiga ocorre em locais de alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) (1).
OBJETIVO: Descrever o perfil epidemiológico dos óbitos por neoplasia maligna de bexiga nas 5 regiões do Brasil entre os anos de 2007 a 2017.
MÉTODOS: Estudo epidemiológico retrospectivo descritivo, através de dados referentes às taxas de mortalidade por câncer de bexiga no período de 2007 a 2017, obtidos através do Sistema de DataSUS.
RESULTADOS:
Figura 1 – Percentual da taxa de mortalidade por câncer de bexiga entre as regiões do Brasil entre 2007-2017.
Figura 2 – Sexo dos indivíduos mortos em decorrência de câncer de bexiga entre 2007-2017 conforme as regiões do Brasil.
Figura 3 – Quantidade de óbitos por ano em cada região do Brasil decorrente de câncer de bexiga entre 2007 e 2017.
Figura 4 – Faixa etária dos óbitos nas regiões do Brasil decorrente de neoplasia maligna de bexiga entre 2007 e 2017.
Figura 5 – Raça dos óbitos decorrentes de neoplasia maligna de bexiga nas regiões do Brasil entre 2007 e 2017.
CONCLUSÃO: Conclui-se que as taxas de mortalidade por câncer de bexiga são diferentes nas regiões do país, sendo mais frequente na região Sudeste (54%) seguido da região Sul (21%), as regiões mais economicamente desenvolvidas do país, fato relacionado ao aumento dos fatores de risco para este tipo de câncer nessas localidades, como tabagismo; associado à maior presença de indústrias e maior exposição à substâncias químicas que podem causar essa neoplasia (2). Quanto ao sexo, houve prevalência do sexo masculino em todas as localidades, o que concorda com os artigos da literatura, haja vista que os homens expõem-se mais aos fatores de risco e possuem 3 a 4 vezes mais chance de desenvolver esse tipo de neoplasia (3, 4). Nesse período de 10 anos, também é notório o aumento da quantidade de óbitos anuais, o que está relacionado ao aumento da expectativa de vida do povo brasileiro. Em relação à faixa etária dos óbitos, concentram-se principalmente na faixa etária entre 70-79 anos e 80-89 anos em todo o país, condizente com dados da literatura (3). Assim, é necessária a conscientização, o diagnóstico precoce e tratamento adequado dessa neoplasia.

Palavras Chave

Mortalidade, Câncer de Bexiga, Epidemiologia

Área

Câncer Bexiga

Instituições

Universidade do Estado do Pará - Para - Brasil

Autores

Natália Guedes Alves, Lucas Araújo Leão, Luciano Sami de Oliveira Abraão, Nayara Pontes de Araújo, Bernardo Vitor de Oliveira Martins, Rudá Mura Medeiros Paz, Mateus Araújo Valente, Márcia Rayssa Farias Torres, Kelvyn Salorran Nunes dos Santos, Rui Wanderley Mascarenhas Júnior