Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TUMOR DE CELULAS DE LEYDIG TESTICULAR: RELATO DE CASO

Introdução, Material, Método, Resultados, Discussão e Conclusões

APRESENTAÇÃO DO CASO
RAS, 42 anos, procedente de Avaré, diabético, em uso de metformina e glifage encaminhado ao Hospital das Clínicas de Botucatu em janeiro/2018 para avaliação de nódulo testicular direito. Queixava-se de dor escrotal direita há 1 ano, com irradiação para o pênis, e aumento do volume testicular associado. Sem outras queixas. Realizou ultrassom de bolsa testicular com doppler em serviço externo em 11/2017: 2 nódulos ecogênicos em testículo direito, sem vascularização ao doppler.Marcadores pré-operatórios negativos. Em 18/02/18 proposta orquiectomia parcial direita, porém como não foi possível palpação do tumor junto aos túbulos seminíferos, optado por orquiectomia radical. Anatomopatológico: Tumor de Células de Leydig com metaplasia adiposa, medindo 0,5x0,5cm, completamente excisado. Presença de moderada anaplasia. Ausência de mitoses ou necrose. Limites tumorais bem definidos. Estadio pT1 Nx Mx. Tomografias de tórax/abdome e pelve sem evidência de metástases a distância ou acometimento linfonodal. Como não há dados na literatura que corroborem tratamento adjuvante, iniciado seguimento clínico. Atualmente, paciente em seguimento clínico a 2 anos e 2 meses, sem evidência de recidiva tumoral, últimas tomografias em 03/12/2019.
DISCUSSÃO
Os tumores germinativos do testículo são raros. Na literatura, correspondem a 1-3% de todas as neoplasias testiculares. O tumor de células de Leydig (LCT) é sua variante mais comum, não tem etiologia bem definida, e tem comportamento benigno em mais de 90% dos casos. A orquiectomia continua o tratamento de escolha. Não tem etiologia bem definida, tendo sido descritos casos de associação com criptorquidia, traumatismo escrotal, síndrome de Kleinefelter, síndrome androgenital e esclerose tuberosa. (1,2 e 3). Metástases ocorrem em aproximadamente 10% dos casos, são mais comuns em adultos >40 anos e em sua maioria disseminam para linfonodos retroperitonias e inguinais (70%), fígado (45$), pulmão (40%) e ossos (25%).(4) As células de Leydig podem sintetizar tanto androgênio quanto estrógeno, pois contém a enzima aromatase para conversão de testosterona em estradiol. Assim, o quadro clínico inicial pode se manifestar com alterações hormonais, além de massa testicular.(5)
COMENTÁRIOS FINAIS
O LCT é uma neoplasia rara, com comportamento benigno em 90% dos casos. Seguimento com exames de imagem e dosagem hormonal devem ser realizados periodicamente, devido a chance de recidiva em aproximadamente 10% dos casos.

Palavras Chave

Leydig; Testículo

Área

Câncer de Testículo

Instituições

Hospital das Clínicas de Botucatu- UNESP - Sao Paulo - Brasil

Autores

Danielli Brussi Carvalho, Raíssa Pierri Carvalho, Augusto Velasco Shimanoe, Mariana Lopes Zanatta, Mayra Calil Jorge, Ana Lucia Coradazzi, Flavio Oliveira Lima, Hamilto Akihissa Hiamamoto, Matheus Almeida Sperini, Felipe do Carmo Moura