Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

O DILEMA DA RADIOTERAPIA OU PROSTATECTOMIA RADICAL NO TRATAMENTO DO CANCER DE PROSTATA BAIXO RISCO: REVISAO DE LITERATURA

Introdução, Material, Método, Resultados, Discussão e Conclusões

INTRODUÇÃO: O Câncer de próstata(CaP) baixo risco é considerado Estádio ≤ T2a, escore de Gleason ≤ 6 (ou Grau 1) e PSA < 10 ng/mL. O tratamento local, consiste em prostatectomia radical ou radioterapia. (National Comprehensive Cancer Netword 4.2019). Embora não haja estudos randomizados que comparem as várias modalidades de tratamento, as taxas de curabilidade entre prostatectomia radical, radioterapia e braquiterapia são superponíveis na doença de risco baixo, devendo-se considerar na escolha do tratamento local seus efeitos colaterais, custos e a preferência do paciente. OBJETIVOS: Avaliar a superioridade e o maior benefício entre radioterapia e prostatectomia radical para os pacientes com CaP baixo risco. METODOLOGIA: Revisão bibliográfica de plataformas virtuais MEDLINE,LILACS, SCIELO, PMC e SCOPUS, sendo encontrados 24 artigos dos quais 8 foram analisados.RESULTADOS: Os efeitos colaterais do tratamento do CaP com doença clínica baixo risco com radioterapia ou prostatectomia radical podem levar a complicações difíceis de reverter, prejudicando a qualidade de vida. As complicações mais comuns do tratamento com radioterapia e prostatectomia radical incluem disfunção urinária, anorretal e sexual.(RIBEIRO A. M.; PERIA F. M.; et al). Pacientes submetidos à prostatectomia radical apresentavam maior risco de incontinência urinária (MATTHEW J. RESNICK, M.D., TATSUKI KOYAMA, PH.D., KANG-HSIEN FAN, M.S., et al,2013). A prostatectomia radical mostrou-se a opção terapêutica com o maior custo inicial (BACHINO, V.B;COTS F.; GUEDEA F., et al,2010). Indivíduos tratados com radioterapia apresentaram, em 5 anos de seguimento, maior incidência de admissões hospitalares, procedimentos anorretais, procedimentos cirúrgicos abertos e neoplasias secundárias. Já aqueles tratados com prostatectomia radical tiveram maior incidência de procedimentos urológicos.(NAM, R. K.,CHEUNG, P., HERSCHORN , S., et al,2014). CONCLUSÃO: Apesar dos estudos existentes em relação ao tema proposto indicarem que a radioterapia mostrou-se com mais efeitos colaterais de maior gravidade a longo prazo, não podemos concluir com superioridade o maior benefício entre radioterapia e prostatectomia. Porém, concluímos que a indicação deverá ser individualizada diante dos efeitos colaterais relacionados à cirurgia e à radioterapia, bem como da disponibilidade real de haver tecnologia de radioterapia adequada para o paciente, levando em consideração a idade, efeitos colaterais e sequelas permanentes

Palavras Chave

Radioterapia,Prostatectomia radical, Câncer de próstata,

Área

Câncer de Próstata Localizado

Instituições

UNIRV - Goias - Brasil

Autores

Leonardo Lucio Martins Teixeira, Marília Davoli Abella Goulart, Melissa Costa Prado, Bárbara Correia Neves Sabino, Adriany Brito Souza