Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RABDOMIOSSARCOMA DE BEXIGA E CARCINOMA PAPILAR DE CELULAS RENAIS: UMA ASSOCIAÇAO INCOMUM

Introdução, Material, Método, Resultados, Discussão e Conclusões

INTRODUÇÃO:Carcinoma sarcomatóide da bexiga urinária é uma variante rara do carcinoma urotelial, correspondendo a 0,3% de todos os subtipos histológicos. Os rabdomiossarcomas são neoplasias malignas do músculo esquelético, que histologicamente se subdividem em: embrionário, alveolar e pleomórfico. Sua principal incidência é da infância até a segunda década de vida, sendo raro em adultos. O subtipo embrionário tem, como característica macroscópica, um aspecto de massa lobular tipo uva. Já os tumores papilíferos renais são o segundo subtipo mais frequente, atrás do carcinoma de células claras. Não há relato da associação desses dois tumores na literatura.
RELATO DE CASO: Mulher, 78 anos, branca, não-tabagista, com hematúria macroscópica e intermitente há cerca de dois meses associado à anorexia e perda de peso. TC:: rim esquerdo com lesão expansiva hipervascularizada em polo superior de 3,4 x 3,3 cm, sem invasão do seio renal; bexiga contendo lesão lobulada, polipoide 6,4 x 4,6 cm, sem acometimento linfonodal associado. Paciente foi submetida à nefrectomia radical + RTU de bexiga. O anatomopatológico mostrou um carcinoma papilar renal tipo 2, Furhmann II, pT1NxMX e uma Neoplasia mesenquimal fusocelular de padrão sarcomatoso. Em 4 meses, evoluiu com uma nova lesão expansiva vesical de 11x11x8 cm, com sinais de expansão para planos adiposos adjacente, dilatação do sistema pielocalicinal à direita, além da piora da função renal (creatinina de 7,91). Optado por realização de cistectomia radical. No intraoperatório, observou-se invasão tumoral do púbis e do peritônio vesical, sendo então submetida à uma cistectomia higiênica com confecção de ureterostomia à direita.
Paciente evolui com insuficiência renal dialítica e recidiva local em 2 meses, sendo enviada à equipe de cuidados paliativos.
DISCUSSÃO: Os carcinomas sarcomatóides da bexiga são mais frequente em homens, na sexta década de vida. Acredita-se que o tratamento destas neoplasias deve ser feito da mesma forma que os carcinomas de células uroteliais indiferenciados, com graus de invasão similares. A cistectomia radical associada a quimioterapia, com ou sem radioterapia, parece ser o tratamento
preferencial
CONCLUSÃO: Rabdomiossarcoma de bexiga é uma lesão rara em adultos e de difícil diagnóstico, de mau prognóstico, sendo este o primeiro caso descrito em associação com tumor papilífero renal. Merecem especial atenção, em virtude do seu comportamento agressivo.

Palavras Chave

rabdomiossarcoma, paiplífero, bexiga

Área

Câncer Bexiga

Instituições

Hospital Municipal Dr. Mário Gatti - Sao Paulo - Brasil

Autores

Camila Rangel Travassos Burity, André di Francesco Veiga, Euclides José Nunes Jr., Fernando Campos Cunha Gonçalves, Dorival Manrique Duarte Jr., Arthur Ribeiro Quilicone, João Paulo Martins Rophino Baptist, Luiz Fernando Araújo Pereira, Fábio Thadeu Ferreira, Ricardo Destro Saade