Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

UTILIZAÇAO DE MATRIZES HEMOSTATICAS NOS TRAJETOS DE BIOPSIAS RENAIS: POR QUE SIM E POR QUE NAO?

Introdução, Material, Método, Resultados, Discussão e Conclusões

Introdução
Biópsias percutâneas são procedimentos seguros e minimamente invasivos usados no diagnóstico de lesões suspeitas quanto a malignidade, a maioria das quais, em tecidos sólidos. Apesar da pequena invasividade dos procedimentos percutâneos intervencionistas, com uso de devices de baixos perfis e reduzidos calibres, podem ocorrer sangramentos, sobretudo em casos de coagulopatias com contagem sérica de plaquetas abaixo de 50.000/mm3 e/ou proporção normalizada internacional (INR) acima de 1,5. Utilizadas de modo rotineiro em cirurgias, as matrizes hemostáticas são de utilização recente nas biópsias percutâneas.

Objetivos
Descrever técnicas de injeção de matrizes hemostáticas e a experiência em sua aplicação recente por médicos intervencionistas. Objetivamos elencar as situações em que esta técnica deve ser considerada para redução de risco de sangramentos.

Métodos
Realizada análise retrospectiva da experiência dos intervencionistas da nossa instituição com o uso de matrizes hemostáticas à base de pele de porco purificada em gelatina em biópsias percutâneas. Foram revisados casos de pacientes em que a técnica foi utilizada entre outubro de 2013 e maio de 2016.

Resultados
A técnica de embolização de trajetos de biópsias percutâneas com matrizes hemostáticas, sejam de gelatina, colágeno ou celulose, é efetiva na redução do risco de sangramentos neste procedimento. Tal efeito se deve ao coeficiente elástico destes, que se expandem quando em contato com o tecido, comprimindo o sítio de biópsia formando um coágulo artificial.
A injeção de matriz hemostática foi realizada em biópsias de metástases hepáticas, em biopsias hepáticas randômicas, com e sem hepatopatia conhecida, em rins com nefropatias crônicas, em lesões focais renais, em tumores de partes moles. Em nenhum dos casos em que a matriz foi utilizada houve sangramento hemodinamicamente significativo, ou que necessitasse de intervenção cirúrgica.
Houve dois casos de complicações menores, um dos quais sendo a migração da matriz hemostática para a bexiga, causando bexigoma, e migração da matriz hemostática para o ducto colédoco. Ambas resolvidas de modo conservador, e sem intervenção cirúrgica.

Conclusão
A injeção de matrizes hemostáticas nas biópsias percutâneas é uma ferramenta que deve ser considerada pelos intervencionistas em procedimentos minimamente invasivos, especialmente aqueles com maior risco, especialmente em neoplasias, com vistas a reduzir efetivamente o risco de sangramento.

Palavras Chave

Matrizes Hemostáticas; Biópsias Renais; Neoplasia Renal.

Área

Câncer de Rim

Instituições

Hospital Israelita Albert Einstein - Sao Paulo - Brasil, Universidade Cidade de São Paulo - Sao Paulo - Brasil

Autores

Ricardo Azze Natel, Maria Clara Alves Lima, Bárbara Luiza Marinho Néspolo, Isadora Lopes, Isadora Fernandes Locci, Priscila Mina Falsarela, Gustavo Caserta Lemos, Guilherme Cayres Mariotti, Antonio Jr Rahal, Rodrigo Gobbo Garcia