Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

FATORES DE RISCO NA REALIZAÇAO DE BIOPSIAS RENAIS PERCUTANEAS: CONHECENDO E PREVENINDO

Introdução, Material, Método, Resultados, Discussão e Conclusões

Introdução:
A BRP é um procedimento pouco invasivo em comparação às abordagens cirúrgicas aberta, tradicional, laparoscópica e mesmo robótica. Por ser menos invasiva, oferece amostragem suficiente para avaliação anatomopatológica precisa, com complementos de imuno-fluorescência e painel expandido. São solicitadas tanto para diagnóstico de doença/lesão renal, quanto para progressão e prognóstico.
As principais indicações para realização do procedimento incluem lesão renal aguda inexplicável, proteinúria ou hematúria.

Objetivo:
Elencar as principais contra-indicações, relativas e absolutas, bem como os fatores de risco mais frequentes e menos frequentes para realização de BRP, e seu manuseio.

Método:
Realizada revisão de casos de biopsias percutâneas realizadas no centro de intervenção da nossa instituição, desde janeiro de 2013 até dezembro de 2019.
Revisão sistemática da literatura médica vigente, elencando além de indicações, contra-indicações, fatores de risco, as complicações mais e menos frequentes associadas a biópsias, incluindo eventos raros relatados.

Resultado:
As principais contraindicações para a BRP abordam o risco de hemorragia, pois esta é a principal complicação deste exame podendo ser autolimitada ou mesmo catastrófica.
Dentre as características referentes aos pacientes que se associaram à maior chance de sangramento pós-procedimento estão: elevada pressão arterial pré-procedimento, obesidade, anemia, baixa contagem de plaquetas, pacientes jovens, tempo parcial prolongado de tromboplastina e sexo feminino. Outros elementos como distúrbios de hemostase, uso de anticoagulantes e condições anatômicas, como anormalidades dos rins ou dos vasos devem ser analisados, pois podem contraindicar o procedimento.
A BRP está contraindicada em pacientes com infecção renal ativa ou infecção cutânea ativa no local de inserção da agulha, contribuído com risco de sepse. Para avaliar se houve hemorragia, utiliza-se ultrassonografia renal pós-procedimento, idealmente na primeira hora e dentro das primeiras 6 horas.

Conclusão:
Embora possam ocorrer complicações, desde menores até catastróficas, a BRP guiada por imagem é menos invasiva do que outras possibilidades cirúrgicas de amostragem, devendo ser considerada como primeira opção. Uma vez conhecidos, fatores de risco devem ser controlados ou reduzidos através de medidas específicas, individualizando cada paciente e suas peculiaridades físico-clínico-medicamentosas.

Palavras Chave

Fatores de Risco; Biópsia Renal Percutânea; Complicações

Área

Câncer de Rim

Instituições

Hospital Israelita Albert Einstein - Sao Paulo - Brasil, Universidade Cidade de São Paulo - Sao Paulo - Brasil

Autores

Ricardo Azze Natel, Débora Vilins, Marília Missiano de Carvalho, Gabriella Rodrigues Cascão, Ana Beatriz Lima Resende, Luiza Vincentini Godoy de Lucca, Katia Pinheiro de Souza, Fábio Vieira, Antonio Jr Rahal, Rodrigo Gobbo Garcia