Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL DOS OBITOS POR CANCER DE PROSTATA POR COR/RAÇA NO BRASIL

Resumo

Introdução: O câncer de próstata (CaP) é a forma não cutânea de neoplasia mais comum em homens e a segunda maior causa de mortalidade masculina por câncer. Homens negros possuem uma taxa de mortalidade maior por CaP em diversos países, entretanto, alguns estudos brasileiros demonstram similaridade entre brancos e negros. Logo, é importante analisar os dados públicos para avaliar a epidemiologia dos óbitos por CaP em diferentes cores/raças e ter uma melhor compreensão da população. Objetivo: Descrever o perfil dos óbitos por CaP em diferentes cores/raças no Brasil em homens acima de 40 anos. Metodologia: Estudo epidemiológico transversal descritivo a partir de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade, entre os anos de 2010 e 2019. Resultados: No período analisado de 2010 a 2019 o Brasil registrou um total de 137.320 óbitos por CaP com uma média de 13.732 mortes/ano (Desvio Padrão:4376 óbitos). A maior quantidade de óbitos ocorreu na população branca com 74.303 (54%) óbitos, seguida da preta 14.101 (10%), amarela 891 (1%), parda 47.821 (35%) e indígena 204 (0.1%). A faixa etária com maior número de óbitos por CaP foi a de 80 anos ou mais com 59.694 (43%), seguida de 70 a 79 anos, 47.421 (35%), 60 a 69 anos, 23.632 (17%), 50 a 59 anos, 5.866 (4%), e 40 a 49 anos, 707 (1%). Houve uma variação no número de óbitos entre os anos de 2010 e 2019 com um aumento de 30% e a maior variação no número de óbitos ocorreu na cor/raça indígena com um aumento de 200%, seguida da amarela, aumento de 52%, parda, aumento de 51%, preta, aumento de 36%, e branca, aumento de 16%. A taxa de mortalidade por cor/raça no ano de 2010 por 100.000 mil habitantes no Brasil foi 8,42 na preta, 7,59 na branca, 4,59 na parda, 3,26 na amarela e 1,58 na indígena. A taxa de mortalidade por cor/raça no ano de 2019 por 100.000 mil habitantes foi 8,93 na branca, 8,44 na preta, 5,81 na parda, 4,48 na amarela e 2,88 na indígena. Conclusão: Assim como em outros países, o perfil epidemiológico do número de óbitos por CaP foi maior na população negra no ano de 2010, entretanto, no ano de 2019 foi maior na população branca. Logo, é importante novos estudos para acompanhar essa mudança e seus impactos na prevenção e tratamento do CaP. Ademais, vale ressaltar que, a forma como a população brasileira é estratificada por cor/raça faz com que os resultados deste estudo diferenciem de outros estudos.

Palavras Chave

câncer de próstata, epidemiologia, raça, óbitos;

Área

Câncer de Próstata Metastático

Instituições

Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

LEONARDO MUSSOI, MARIA CLARA BRUSIUS KAUFMANN, ANA PAULA AZEVEDO ZAROWNY, VICTÓRIA SCHACKER, THALES FERNANDO CANABARRO ARAUJO, HENRIQUE PY LASTE, LUÍSA MACIEL DOS SANTOS, PEDRO CORNELIO BORGES FORTES CORNELIO BORGES FORTES, CAROLINA BOHN FACCIO, ERNANI LUIS RHODEN