Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TERAPIA DE ANTIANDROGENIO NO CANCER DE PROSTATA E PREVENÇAO DO COVID

Resumo

Diante dos novos cenários envolvendo a alta taxa de disseminação mundial das infecções causadas pelo SARS-CoV-2 (COVID-19), foram evidenciados estudos que relacionassem uma menor susceptibilidade para o desenvolvimento da doença em indivíduos portadores de câncer de próstata e que estão sob tratamento. A explicação para isso está relacionada com a expressão do gene da transcrição da protease transmembrana, serina 2( TMPRSS2) da protease celular, principalmente na próstata adulta, em que o receptor celular que regula o TMPRSS2 é necessário para a infecção do SARS-CoV-2, pois prepara a proteína Spike do vírus, que tem duas consequências: diminuir o reconhecimento viral neutralizando anticorpos e ativar o SARS-CoV-2 para fusão de células virais.
As pesquisas apontam que em pacientes portadores de câncer de próstata, dependendo do estágio em que se encontram, uma das principais medidas terapêuticas empregadas é a hormonioterapia, cujo mecanismo de ação se baseia no bloqueio da via de produção de testosterona, ou seja, a deprivação androgênica. Esse efeito é obtido através do uso de fármacos que atuam como agonistas LHRH, antiandrogênicos, inibidores de CYP-17 e hormônios femininos.
OBJETIVO: Analisar o uso de anti-androgênicos em portadores de câncer de próstata na prevenção contra o SARS-CoV-2.
MÉTODOS: Trata-se de uma revisão de literatura onde foram realizadas pesquisas nos principais bancos de dados, restringindo artigos ou pesquisas publicados nos últimos dois anos.
RESULTADO: Estudos mostram que supressão dos níveis de expressão da TMPRSS2 em células normais pode ajudar a combater não apenas o desenvolvimento do câncer de próstata, mas também a infecção viral. Essa inibição da TMPRSS2 é realizada com a terapia antiandrogenica. Além disso, algumas pesquisas evidenciam a associação de terapia anti-androgênica com a vacina para COVID-19 pode melhorar a resposta imunológica. Entretanto, a terapia de privação de andrógenos tem papéis claros na gestão de câncer de próstata avançado e doença localizada de alto risco. Os benefícios do privação de testosterona em outros as configurações precisam ser pesadas cuidadosamente contra riscos substanciais e efeitos adversos sobre qualidade de vida
CONCLUSÃO: Os resultados desta pesquisa evidencia a necessidade de mais estudos, ensaios clínicos sobre a efetividade do uso de inibidores de andrógenos como prevenção da infecção por SARS-CoV-2 .

Palavras Chave

Andrógeno; COVID-19; câncer de próstata

Área

Câncer de Próstata Localizado

Instituições

FAMENE - Paraíba - Brasil, UNIPE - Paraíba - Brasil

Autores

ALESSANDRA BEZERRA ALMEIDA CAMURÇA, TAINAH BRAGA CAMURÇA, GIOVANA LINS BASTO, FERNANDO PAIVA MELO, LINDOERES SOUSA ALVES, BIANCA VIEIRA ARAÚJO CORREIA SÁ, LETICIA LACERDA BURITY, BEATRIZ BENIZ ALVE CALDEIRA, VINICIUS VIEIRA LEANDRO SILVA