Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

DIAGNOSTICOS DE NEOPLASIA MALIGNA DE BEXIGA DURANTE OS ANOS DE 2019 E 2020 NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO DURANTE A PANDEMIA

Resumo

Introdução
Durante a pandemia de COVID-19 que surgiu em 2020, muitos pacientes tiveram seus acompanhamentos prejudicados pelas dificuldades na saúde que se instalaram no Brasil. Assim, percebendo-se uma adversidade para a realização de consultas ou exames, se pressupõe uma diminuição no número de diagnósticos de câncer de bexiga, assim como alterações no seu estadiamento e tratamento.

Objetivo
Analisar se durante a pandemia no Brasil, no ano de 2020, se houve diminuição no número de diagnósticos de câncer de bexiga em comparação ao ano de 2019, bem como demonstrar o grau do estadiamento e o tipo de tratamento realizado, comparando ambos os anos.

Método
O presente trabalho é um estudo transversal de caráter epidemiológico, em que os dados foram coletados através do banco de dados DATASUS, no qual os dados foram obtidos por meio das palavras “diagnóstico detalhado", “estadiamento” e “modalidade terapêutica".

Resultados
Em 2019 diagnosticaram-se 6718 casos de câncer de bexiga, já em 2020 foram 6130 diagnósticos, uma redução de 8,25% entre os dois anos. Em relação ao estadiamento da doença foram analisados 890 pacientes em 2019 e 888 em 2020, subdivididos em uma escala 0 a 4, no qual o grau 0 representava 86 casos em 2019 e em 2020 passou a ser 65 casos, tendo assim uma redução de 2,35% dos diagnósticos de um ano a outro. Junto a isso os casos de grau 1 que eram em 2019 367 dos novos diagnósticos, passaram a ser 347 em 2020, sofrendo assim um decréscimo de 2,16%. Para o tratamento foram analisados 5960 pacientes em 2019, e 5598 em 2020, em que a cirurgia foi a principal opção em ambos os anos, representando respectivamente 85,06% e 84,13% dos tratamentos disponíveis (Tabela 3), tendo assim uma queda de 360 procedimentos realizados, ou seja, 0,93% de um ano ao outro. Já quimioterapia que era utilizada em 768 dos pacientes elevou-se para 792, tendo então um acréscimo de 1,26% de 2019 a 2020.

Conclusões
Percebeu-se uma diminuição no número de diagnósticos de câncer de bexiga do ano de 2020 para o de 2019. Visto que a pandemia pode ser um dos principais fatores para isso ocorrer, pois além da redução no número absoluto de casos novos, viu-se uma redução nos casos leves (grau 0 e 1). Entretanto, o tratamento não sofreu uma alteração percentual significativa, mas apenas uma redução no número total de pacientes tratados, visto que o próprio número de casos também reduz.

Palavras Chave

neoplasia de bexiga; diagnóstico; pandemia

Área

Câncer Bexiga

Instituições

Universisade de Passo Fundo - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

GABRIEL SILVA IAIONE, EMANUEL KERBER MARTINS