Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL EPIDEMIOLOGICO DE OBITOS EM ADULTOS POR INTERCORRENCIAS DE NEOPLASIA MALIGNA DE PROSTATA NO BRASIL ENTRE 2015 E 2019

Resumo

INTRODUÇÃO: No Brasil, o câncer de próstata¹ é a segunda neoplasia mais prevalente entre os homens, representando 10% dos cânceres do sexo masculino. Trata-se da segunda causa de morte oncológica em homens, perdendo apenas para o CA de pulmão. Uma das formas apontadas pela literatura para rastreamento é o exame de toque retal. Além disso, a dosagem de Antígeno Prostático Específico é um método de rastreio utilizado como auxílio para risco de Câncer de próstata e como prognóstico da doença. O diagnóstico definitivo de câncer é estabelecido por meio de biópsia por agulha guiada por imagem.
OBJETIVO: Avaliar a relação das taxas de óbitos² adultos por câncer de próstata no Brasil entre 2015 e 2019, com a diminuição de políticas públicas para prevenção.
METODOLOGIA: Estudo descritivo documental com coleta de dados referentes ao CID C-10 C61 no Brasil por meio do Sistema de Informações sobre Mortalidade, disponíveis pelo Departamento de Informações do SUS.
RESULTADOS: Foram documentados 76339 óbitos de adultos decorrentes de Câncer de próstata no país durante o período estudado. A região Sudeste³ obteve as maiores taxas, representando 42,44% do número total, seguida da região Nordeste, 28,01%, região Sul, 16,63%, a região Centro-Oeste, com 7,14%, e por fim, a região Norte, com 5,73% dos óbitos. Ademais, ocorreram aumentos nos números de óbitos todos os anos desde 2015 sendo o maior em 2019 com o total de 15979 óbitos, tendo um aumento de 9,4% comparado ao ano de 2015 que apresentou 14478 óbitos. A raça mais acometida foi a branca, representando 50,65% dos óbitos, seguida da parda, 35,19%, pretos representando 10,18% e indígenas registraram as menores taxas, 0,14%.
Os óbitos ocorreram majoritariamente na faixa etária acima de 80 anos, que representou 43,52% do número total, seguidos por pacientes entre 70 a 79 anos, representando 34,15%, pacientes de 60 a 69 anos, representando 17,41% e homens de 50 a 59 anos que demonstraram 4,15% de óbitos.
CONCLUSÃO: A partir da análise dos dados obtidos verifica-se que a predominância dos óbitos no período de 2015 a 2019 se deu na região Sudeste, em indivíduos do sexo masculino e da raça branca, acima de 80 anos. Além disso, nota-se um aumento progressivo desses óbitos com o passar dos anos, tendo no ano de 2019 seu maior número. Sendo assim, se faz necessário lembrar da importância de políticas de rastreio para a prevenção e diminuição desses números que assolam nosso país.

Palavras Chave

Próstata, óbitos, Sudeste.

Área

Câncer de Próstata Metastático

Instituições

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL (ULBRA) - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

MATHEUS HENRIQUE ROTH, STEPHAN KUNZ, CAMILA PATZLAFF, LUCAS GRANVILLE GARCIA MAYER, VINICIUS CATTO VAZ, LUDMILA LIMPIAS TERRAZAS BINKOWSKI, IGOR SALVARO RAUPP, TIAGO PACZKO BOZKO CECCHINI, RENÉ OCHAGAVIA CHAGAS DE OLIVEIRA, MARIANA PELLEGRIN CIPPOLAT