Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

NEOPLASIA TESTICULAR NO BRASIL: ANALISE DAS INTERNAÇOES OCORRIDAS NA ULTIMA DECADA

Resumo

Introdução: Em comparação com outros tipos de câncer, a neoplasia testicular é relativamente rara (1-1,5% de todos os cânceres em homens); contudo, nas últimas décadas, foi observado aumento contínuo de sua incidência. A maioria dos tumores testiculares é derivada de células germinativas (seminoma e não seminoma) e mais de 70% dos pacientes são diagnosticados com doença em estágio inicial.
Objetivos: Analisar as internações por neoplasia testicular nas diferentes regiões do Brasil nos últimos dez anos.
Métodos: Estudo epidemiológico transversal descritivo a partir de dados do DATASUS, fevereiro de 2011 a fevereiro de 2021. As variáveis estudadas foram: internações hospitalares, região e estado da Federação, faixa etária e cor/raça.
Resultados: No período analisado, foram registrados 45.966 casos de neoplasia testicular no Brasil. Desses, 46,0% ocorreram na região Sudeste, 25,8% na Sul, 19,4% na Nordeste, 4,9% na Norte e 3,9% na Centro-Oeste. Os estados da federação com as maiores taxas de incidência são, respectivamente: Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro e Bahia. Em relação à faixa etária, a que apresentou o maior número de casos foi a de 20-29 anos (20,1%), seguida de 30-39 anos (18,75%), 60-69 anos (12,6%), 50-59 anos (12,5%), 40-49 anos (11,7%), 70-79 anos (9,84%), 15-19 anos (5,92%), mais de 80 anos (4,94%), 1-4 anos (1,62%), 10-14 anos (1,12%), 5-9 anos (0,65%) e menores de 1 ano (0,26%). Em relação à etnia, 52,7% eram brancos, 40,7% era parda, 5,0% eram pretos, 1,5% eram amarelos, e 0,1% eram indígenas. O tempo médio de internação hospitalar foi de 5,2 dias, sendo que a faixa etária dos 50-59 anos registrou a maior média (5,7 dias) e pacientes com idade entre 5 e 9 anos apresentaram a menor (2,7 dias).
Conclusões: Com base no exposto, homens na faixa dos 20-39 anos, brancos e residentes da região Sul compõe o perfil do paciente frequentemente internado com neoplasia testicular no Brasil. Além disso, observou-se baixa ocorrência da neoplasia em crianças e adolescentes de 0-19 anos (9,6% do total de casos).

Palavras Chave

Neoplasia testicular, Brasil, Epidemiologia

Área

Câncer de Testículo

Instituições

Universidade Luterana do Brasil - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

SABRINA NAVROSKI, CAROLINA BOHN FACCIO, GABRIELA MUGNOL RIZZATTI, REBECA DELATORRE FONSECA, CLARA BARTH DOS SANTOS MAGALHÃES, HONÓRIO SAMPAIO MENEZES