Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

URO-ONCOLOGIA: PANORAMA DE DIAGNOSTICOS NO BRASIL REFERENTE AO BIENIO 2019-2020

Resumo

Introdução: A pandemia do COVID 19 alterou as relações de saúde em todo o mundo. Ambulatórios suspenderam consultas médicas, hospitais sofrem com a grande demanda e cirurgias eletivas precisaram ser remanejadas. Diante disso, muitos pacientes urológicos tiveram procedimentos diagnósticos e terapêuticos retardados, em especial aqueles com suspeita de diagnósticos oncológicos que demandam atenção e manejo precoce. Objetivos: Analisar o número de novos diagnósticos oncológicos e uro-oncológicos no Brasil e compará-los no biênio 2019-2020. Metodologia: Estudo epidemiológico transversal utilizando o banco de dados público do DATASUS. Foram incluídos os dados de pacientes com diagnóstico de neoplasias malignas em geral e de próstata, testículo, rim e bexiga no período de 2019 a 2020. Resultados: Percebeu-se redução de 13,15% no número absoluto de diagnósticos de neoplasias malignas notificados no ano de 2020 (n=312.686) em relação a 2019 (n=360.032). Quanto às neoplasias uro-oncológicas selecionadas (próstata, testículo, rim e bexiga) houve redução de 26,34% do ano de 2020 (n=39.016) em relação ao ano de 2019 (n=59.972), demonstrando uma redução de diagnósticos 100% superior em relação à redução das neoplasias malignas em geral (13,15%). Dentre as neoplasias urológicas selecionadas, o câncer de próstata foi o que apresentou redução mais significativa com 31,52% de diagnósticos a menos em 2020 (n=27.358) em relação à 2019 (n=39.953). A neoplasia maligna de rim apresentou redução diagnóstica de 12,62% com 3.888 casos em 2020 e 4450 casos em 2019. A neoplasia maligna de bexiga teve 8,75% de diagnósticos a menos em 2020 (n=6.130) do que em 2019 (n=6.778). Por fim, a neoplasia maligna de testículo reduziu os casos diagnosticados em 5,99%, passando de 1851 diagnósticos em 2019 para 1.740 em 2020 (Tabela 1). Conclusões: O número de neoplasias urológicas diagnosticadas no Brasil caiu significativamente na comparação 2019-2020. A neoplasia urológica com redução mais significativa foi a de próstata, a qual também é a mais prevalente em números absolutos na uro-oncologia. As alterações nos valores obtidos podem estar relacionadas à pandemia de COVID-19. A queda diagnóstica de neoplasias renais, por exemplo, pode dever-se ao cancelamento das cirurgias, uma vez que a nefrectomia constitui-se em procedimento diagnóstico e terapêutico. Esses números chamam atenção para o grande número de sub-diagnosticados para as neoplasias uro-oncológicas no contexto atual.

Palavras Chave

Neoplasias, diagnóstico, pandemia

Área

Câncer de Próstata Localizado

Instituições

Universidade de Passo Fundo - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

EMANUEL KERBER MARTINS, GABRIEL DA SILVA IAIONE, DIEGO CARRÃO WINCLKER