Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A MEDIA DE PERMANENCIA HOSPITALAR POR NEOPLASIA MALIGNA DA PROSTATA E SUA RELAÇAO COM AS DESPESAS HOSPITALARES NO BRASIL: UMA ANALISE EPIDEMIOLOGICA DA ULTIMA DECADA

Resumo

Objetivo: De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, a neoplasia de próstata é uma importante causa de morbidade e mortalidade do sexo masculino, no mundo. O Brasil é um país que apresenta alta incidência de hospitalizações por essa neoplasia, fator que gera consideráveis gastos para o sistema público. Sendo assim, é pertinente estudar o período necessário para o tratamento, às faixas etárias mais acometidas e as despesas geradas de acordo com cada região no país. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é examinar e expor estes dados, a fim de associar e compreender a média de permanência hospitalar por neoplasia de próstata e os seus gastos. Métodos: A análise epidemiológica do período de 2010 a 2020 dos dados referentes à neoplasia de próstata foi obtida pelo Sistema de Internação Hospitalar e de Mortalidade do Departamento de Informática do SUS (DataSus). Resultados::Na análise feita de 2010 a 2020, ocorreram aproximadamente 260 mil casos de internações por neoplasia maligna da próstata no Brasil, na faixa etária de 30 aos 79 anos. A média de permanência hospitalar geral foi de 5,1 dias, alcançando a maior incidência à região Norte com 7,1 dias e a menor incidência a região Nordeste com 5 dias. Em âmbito estadual os estados que obtiveram maior incidência foram Amapá, Pará e Acre, com as respectivas médias 11; 9,6 e 8,8 dias. Em relação às faixas etárias estudadas constatou-se maior incidência de permanência dos 35 aos 39 anos com 7,9 dias e menor dos 50 até os 64 anos com 4,9 dias. O valor gasto com essas internações foi cerca de 600 milhões de reais. Ao comparar em relação aos valores gastos com o tempo de internações, São Paulo foi quem mais investiu nesse setor – 150 milhões de reais. Em contrapartida, o Amapá foi o estado que investiu apenas 300 mil reais, valor desproporcional à sua média de permanência de internação. Além disso, ao comparar as regiões do Brasil, o Sudeste foi a que mais gastou em serviços hospitalares com um valor de cerca de 300 milhões de reais- o que representa 50% do valor total gasto, enquanto a região Norte foi a que menos investiu- 9 milhões de reais. Conclusão: A neoplasia maligna de próstata é responsável por uma alta incidência de hospitalizações no Brasil, e o tempo médio de permanência é de uma semana quando analisadas as 5 regiões. Ademais, as despesas hospitalares em 10 anos foram bastante elevadas e apresentaram discrepância significativa entre o Sudeste e o restante do país.

Palavras Chave

Próstata; Internações; Gastos.

Área

Câncer de Próstata Localizado

Instituições

Universidade Luterana do Brasil - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

VIVIAN LIZ MEDEIROS VIEIRA, CAROLINA LEAL BENDER, AMANDA TOMAZZONI MICHELON, HELLEN DE FREITAS MONTEIRO, ISABELA ZOPPAS FRIDMAN, THAMELA GAZOLA ZANATTA, THAINARA VILLANI, JULIANA RUAS VENTURA, ANA VICENZA RAYMUNDI DE OLIVEIRA, NATÁLIA ISAIA BROWNE MAIA ISAIA BROWNE MAIA