Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE EPIDEMIOLOGICA DE INTERNAÇOES E OBITOS POR NEOPLASIA MALIGNA DE PROSTATA NO BRASIL ENTRE 2015-2019/2020

Resumo

Introdução: A neoplasia maligna de próstata é definida pela proliferação anormal e autônoma das células do tecido, podendo provocar metástases. No Brasil, é o segundo tipo de neoplasia mais frequente no sexo masculino. Objetivos: Analisar as taxas de neoplasia maligna de próstata do Brasil entre 2015 e 2019. Metodologia: Estudo epidemiológico transversal descritivo a partir de dados registrados no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Resultados: A partir dos dados analisados, foram registradas 134.432 internações por neoplasia maligna de próstata no Brasil. A região sudeste teve o maior número de casos (n=72.506) e a região norte o menor número (n=3.365). A raça parda foi responsável por 60.621 (45,09%) casos de internações, raça branca 59.617 (44,3%), raça preta 12.254 (9,12%), raça amarela 1.905 (1,42%) e raça indígena 35 internações (0,7%). A faixa etária com maior incidência foi de 80 anos ou mais (n=17.474) e a com menor incidência 20 a 29 anos (n=54). O total de óbitos por neoplasia maligna de próstata foi 73.906. A região sudeste com a maior incidência (n=31.404) e a região norte com a menor (4.295). A raça branca apresentou 38.669 óbitos (52,32%), raça parda apresentou 26.864 (36,35%) raça preta 7.777 (10,52%), raça amarela 484 (0,65%) e a indígena 112 óbitos (0,15%). A faixa etária mais acometida foi de 80 anos ou mais (n=32.143) e a menos acometida foi de 20 a 29 anos (n=49). Conclusão: A partir do estudo foi possível concluir que a região que mais teve internações e óbitos por neoplasia maligna de próstata foi a Sudeste, se comparada às outras regiões do país no mesmo período. Nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, a raça parda foi prevalente no número de internações, ao contrário das regiões Sudeste e Sul, nas quais a raça branca teve predomínio. O risco de morrer por câncer aumenta com a idade devido a exposição prolongada a fatores carcinogênicos, capazes de produzir disfunção celular e multiplicação atípica, consequentemente, foi observado um maior número de óbitos entre os idosos com 80 anos ou mais. Esses resultados são importantes para ressaltar a importância do diagnóstico precoce de câncer de próstata, responsável pelo aumento das possibilidades de cura.

Palavras Chave

Neoplasias da próstata, Internação Hospitalar, Registros de Óbito

Área

Câncer de Próstata Localizado

Instituições

Universidade Luterana do Brasil/ULBRA - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

VANESSA SALING GUGLIELMI, CAROLINA SOUZA BASSO, LAURA TOFFOLI, BRUNA MARTINS DE SOARES, ANA LAURA TERRA AFFONSO, ISABELLA MONTEMAGGIORE BUSIN, LUCAS HENRIQUE SKALEI REDMANN, RENE OCHAGAVIA CHAGAS DE OLIVEIRA