Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CASOS DE CANCER DE URETER NO BRASIL NOS ANOS DE 2013 A 2020

Resumo

Introdução: Os carcinomas da pelve renal e do ureter são raros, sendo responsáveis por apenas 4% de todos os cânceres uroteliais. Os fatores de risco para uma maior predisposição são os mesmos que aqueles do câncer de bexiga, como: tabagismo e uso de fenacetina em excesso. Tendo como principal sintoma a hematúria macroscópica. O achado da uretrografia mais comum é o defeito no enchimento intraluminal. Objetivos: Analisar dados epidemiológicos do câncer de ureter no Brasil nos anos de 2013 a 2020. Metodologia: Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo e retrospectivo com abordagem quantitativa com dados coletados por meio do Painel Oncológico da plataforma DATASUS. As variáveis avaliadas foram: ano de notificação, sexo, faixa etária, estadiamento e desfecho cirúrgico. Resultados e Discussão: Evidencia-se, que no período estudado, entre 2013 a 2020, foram notificados 652 casos de Câncer de Ureteres no Brasil. Sendo que 2,6% (17/652) ocorreram em 2013, 2,45% (16/652) em 2014, 2,45% (16/652) em 2015, 3,83% (25/652) em 2016, 4,6% (30/652) em 2017, 15,79% (103/652) em 2018, 37,42% (244/652) em 2019 e 30,82% (201/652) no ano de 2020. Nos quais, destes casos informados, 40,79% (266/652) tiveram como alvo os indivíduos do sexo feminino e 59,20% (386/652) dos alvos foram do sexo masculino. No que diz respeito à faixa etária, foram notificados 1,99% (13/652) com a idade entre 0 a 19 anos, 4,9% (32/652) com a idade entre 20 a 39 anos, 23,61% (154/652) com a idade entre de 40 a 59 anos, 59,84% (390/652) com a idade entre 60 a 79 anos e 9,66% (63/652) equivalente a pessoas de 80 anos de idade ou mais. Em relação ao estadiamento do Câncer de Ureteres, tem-se o estadiamento de 0-2 composto por 5,06% que corresponde a 33 casos totais e 3-4 com 22,39% equivalente a 146 casos totais, exibindo, assim, uma quantidade maior de pessoas em estadiamento mais grave. Acerca dos casos cirúrgicos, foram divulgados 32,66%, proporcional a 213 casos totais. Conclusão: Sendo assim, os casos de Câncer Ureteral, a partir de 2018, se tornaram bem mais prevalentes, no Brasil, quando comparados aos anos anteriores. Além disso, a faixa etária senescente foi a mais acometida, população com maior vulnerabilidade física e por vezes social. Outrossim, estadiamentos mais graves e casos sob intervenção cirúrgica mostraram-se com maior ocorrência, evidenciando a importância de políticas públicas ao combate do agravamento dessa doença.

Palavras Chave

Urologia. Oncologia. Câncer Ureteral

Área

Tumores Raros

Instituições

Centro Universitário Inta - UNINTA - Ceará - Brasil

Autores

ANA BEATRIZ GOMES SANTIAGO, FELIPE COSTA ARCANJO, ANTONIO DE PADUA VASCONCELOS FILHO, VALÉRIA LAYANE SILVA SOUZA, CÁDMO SILTON ANDRADE PORTELLA FILHO, JOSÉ CARLOS ARAÚJO FONTENELE