Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ASSOCIAÇAO DO POLIMORFISMO DE GSTM1 E GSTT1 NO AUMENTO DO RISCO DE CANCER DE BEXIGA: REVISAO DE LITERATURA

Resumo

INTRODUÇÃO: O câncer de bexiga é a nona malignidade mais comum em todo mundo, sendo o estilo de vida e a exposição ocupacional os principais fatores etiológicos. No entanto, apenas uma pequena porcentagem de pessoas desenvolve câncer de bexiga após a exposição a fatores ambientais, indicando que a susceptibilidade genética desempenha um papel importante no desenvolvimento do câncer de bexiga. As Glutationa S-transferases (GSTs) é um grupo de enzimas envolvidas na desintoxicação de vários carcinógenos e foram reconhecidas como um fator importante no desenvolvimento do câncer de bexiga, sendo os genes GSTM1 e GSTT1 membros da GST. OBJETIVO: Analisar a associação de polimorfismo GSTM1 e GSTT1 com o risco de câncer de bexiga. MÉTODOS: Realizado uma revisão de literatura, por meio de um levantamento de dados internacionais e nacionais do PubMed, MEDLINE e SciELO, no período dos últimos 10 anos, que associavam o polimorfismo do gene GSTM1 e GSTT1 com o risco de câncer de bexiga, sendo inclusos: metanálises, revisões sistemáticas e estudos de coortes. Foram utilizados os descritores de busca: câncer de bexiga, polimorfismo genético e fator de risco. RESULTADOS: No total dez artigos foram inclusos no estudo. As deleções homozigóticas de GSTM1 e GSTT1 estão associadas à redução da função de desintoxicação, aumento da suscetibilidade aos danos citogenéticos e aumento do risco de câncer. De forma geral, os genótipos GSTM1 nulo, GSTT1 nulo e GSTM1 / GSTT1 duplo-nulo foram associados ao risco aumentado no desenvolvimento do câncer de bexiga. O genótipo nulo GSTM1 foi associado à um risco aumentado de câncer de bexiga em caucasianos e asiáticos, enquanto o genótipo nulo GSTT1 foi associado ao risco aumentado somente em caucasianos. O GSTM1 / GSTT1 genótipo duplo-nulo foi associado ao aumento do risco em caucasianos, asiáticos e africanos. Análises de associações baseadas na população indicaram risco aumentado de câncer de bexiga associado aos genótipos GSTM1 nulo e GSTM1 / GSTT1 duplo-nulo em estudos hospitalares e populacionais. A deleção de GSTM1 foi associada ao aumento do risco de câncer de bexiga em fumantes e não fumantes. Os não fumantes com o genótipo duplo nulo GSTM1 / GSTT1 tiveram um risco aumentado de câncer de bexiga. CONCLUSÃO: Portanto, há uma associação significativa entre o polimorfismo GSTM1 e GSTT1 com o risco de câncer de bexiga, sendo o risco variável, conforme a população estudada.

Palavras Chave

câncer de bexiga; polimorfismo genético; fator de risco

Área

Câncer Bexiga

Instituições

Universidade do Oeste de Santa Catarina - Santa Catarina - Brasil

Autores

JACKSON RIBEIRO FERNANDES, JAMILE ROSSET MOCELLIN, ANTONIO EUCLIDES PEREIRA DE SOUZA JUNIOR