Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RECIDIVA APOS GENCITABINA INTRAVESICAL NO TRATAMENTO DAS NEOPLASIAS UROTELIAIS NAO-MUSCULO INVASIVAS DA BEXIGA - DADOS DE VIDA REAL

Resumo

Introdução: A neoplasia urotelial não-músculo invasiva (NUNMI) é o tumor maligno mais comum na bexiga. A ressecção transuretral de bexiga (RTU-B) é o tratamento de escolha, mas terapias adicionais podem ser necessárias devido altos índice de recorrência. A BCG intravesical é o tratamento de primeira escolha na recidiva, na ausência desta medicação é necessária a avaliação de outras opções. A taxa de recorrência do NUNMI após uso de gencitabina vai de 25 a 53,1%. O tempo médio até a recorrência varia de 3,1a 39,4 meses.
Objetivo: avaliar taxas de recidiva e efeitos colaterais da quimioterapia intra-vesical com Gencitabina no tratamento de NUNMI como primeira e segunda linha de tratamento em uma coorte de pacientes tratados em nosso ambulatório.
Métodos: acompanhados 48 pacientes com NUNMI diagnosticados por RTU-B e tratados com gencitabina intra-vesical semanalmente por 6 semanas na indução e mensalmente na manutenção por 12 meses. Todos foram submetidos a cistoscopias pré tratamento, após o término da indução e trimestralmente durante a manutenção. Foram analisadas variáveis: idade e sexo. Características da NUNMI: grau; estadiamento; classificação de risco; indicação da terapia intravesical; uso de BCG prévia e complicações foram descritas. Testes estatísticos realizados foram: qui-quadrado, teste exato de Fischer e teste t de student .
Resultados: Dos 48 pacientes analisados, 36 (75%) eram homens e 12 (25%) mulheres. A média de idade foi 66 anos (11,59). Vinte e oito (58.30%) tinham estadiamento T1 e 20 (41.7%) Ta, enquanto 27(56.30%) eram alto grau e 21(43.80%) baixo grau. A classificação alto risco foi a indicação mais frequente no uso da medicação, 31 pacientes (64,60%); seguido pela recidiva após RTU-B em 17 (33.30%). Dezenove (39.6%) haviam sido tratados previamente com BCG intra-vesical. A recorrência se deu em 19 casos (39,6%) e efeitos adversos em 16 (36.6%). O tempo médio entre a primeira dose de gencitabina até a recidiva foi 13,34 meses (9,6). Os efeitos adversos mais prevalentes foram disúria(n=4) e hematúria(n=4) seguidos de dor suprapúbica (n=3). Não houve diferença estatística entre as recidivas após gencitabina no grupo que realizou BCG prévio ou virgem de tratamento (P>0.05).
Conclusão: Nesta coorte de dados de vida real, pacientes tratados com gencitabina intravesical em esquema de indução e manutenção apresentam índices de recidiva, tempo até a recidiva e efeitos adversos de acordo com índices internacionais.

Palavras Chave

CANCER DE BEXIGA; GENCITABINA INTRAVESICAL;

Área

Câncer de bexiga

Instituições

Hospital Nossa Senhora da Conceição - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

FERNANDO THEODORO SEHNEM, AUGUSTO LUIZ GIONGO, ARTHUR FERRONATO DALLAGNOL, DANIEL MELECCHI FREITAS, LUIS PAULO ANDRIONI, MARIANA DAMASCENO LINHARES, MAURICIO AUGUSTO MACHADO, LEANDRO VICENTE ZOEHLER, MATEUS ZENI, RODRIGO FURIAN EL AMMAR