Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL EPIDEMIOLOGICO DAS INTERNAÇOES POR CANCER DE BEXIGA NO BRASIL ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2020

Resumo

Introdução: O câncer de bexiga atinge as células que cobrem o órgão e é classificado de acordo com a célula que sofreu alteração. Hematúria é o sintoma e o sinal mais comum em câncer de bexiga, ocorrendo na grande maioria dos pacientes. Sintomas irritativos como polaciúria, urgência e disúria constituem a segunda apresentação mais frequente de câncer de bexiga. Apesar de poder ocorrer em qualquer idade, a incidência de câncer de bexiga aumenta diretamente com a idade, sendo o diagnóstico mais frequente na 6ª e 7ª décadas de vida. Tabagismo e exposição a compostos químicos estão entre os principais fatores de risco modificáveis. Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico das internações por câncer de bexiga no Brasil entre os anos de 2010 e 2020. Metodologia: Estudo epidemiológico analítico transversal, de caráter quantitativo, no qual os dados foram retirados a partir do Departamento de Informática do SUS - DATASUS. As variáveis pesquisadas foram: total de internações, sexo, cor/raça, faixa etária, óbitos e taxa de mortalidade. O período da pesquisa foi delimitado entre os meses de janeiro de 2010 e dezembro de 2020. Resultados: O total de internações foi de 157.885. Em 2010 e 2020 foram registradas 9.759 e 17.385 internações, respectivamente. O sexo masculino registrou 112.058 hospitalizações, e o sexo feminino 45.027. A cor/raça branca apontou 84.254 casos. A faixa etária mais acometida foi a de 60 a 69 anos, com 49.380 internações. O total de óbitos foi de 10.416. A taxa média de mortalidade foi de 6,60. Em 2010 e 2020 as taxas de mortalidade foram de 6,74 e 6,37, respectivamente. Conclusão: O perfil epidemiológico das internações por câncer de bexiga foi caracterizado por indivíduos do sexo masculino, brancos e na faixa etária de 60 a 69 anos. Houve redução nas taxas de mortalidade, e a taxa média de mortalidade entre 2010 e 2020 foi de 6,6. O número de internações por câncer de bexiga desenha uma curva ascendente ao longo dos anos, o que mostra a importância da promoção de campanhas de conscientização sobre o tema, assim como a melhoria na infraestrutura dos serviços de saúde, a fim de realizar o diagnóstico precoce e diminuir as taxas de mortalidade.

Palavras Chave

câncer de bexiga, internações, perfil epidemiológico

Área

Câncer de bexiga

Instituições

Universidade Federal de Rondônia - Rondônia - Brasil

Autores

LAURA JANE FRANÇA LACERDA, LEO CRHISTYAN ALVES LIMA, HILDEMAN DIAS COSTA, MATHEWS BARBOSA SANTIAGO, HELIDA OLIVEIRA MAGALHÃES CERQUEIRA, WILYAN DIAS COSMO OLIVEIRA, WUDSON HENRIQUE ALVES ARAUJO, AYRISON MELO SOUSA, LUIZ FELIPE FAÇANHA RAMOS